Eu quero o Jovem Negro Vivo! Chega de violência!
Rio de Janeiro Eu quero ver o Jovem Negro Vivo!

Eu quero o Jovem Negro Vivo! Chega de violência!

Quem é o maior alvo da violência no Brasil? Em 2012, 56.000 pessoas foram assassinadas no Brasil. Destas, 30.000 são jovens entre 15 a 29 anos e, desse total, 77% são negros. O Atlas da Violência, com dados de 2015, mostra que a cada 100 pessoas que sofrem homicídios, 71 são negras. O cidadão negro possui chances 23,5% maiores de sofrer assassinato em relação a cidadãos de outras raças, JÁ DESCONTADO o efeito da idade, sexo, escolaridade, estado civil e bairro de residência. Uma série de coletivos locais e movimentos pautam essa situação há anos, e mesmo assim a mídia e o governo insistem em manter o assunto fora da agenda. Por que? Porque falar de homicídios de jovens negros é falar da nossa política de segurança pública. O medo e o sangue que vemos nas ruas e nos jornais é o resultado de um projeto falido. A realidade dos jovens negros é problema meu e seu também. Como cidadã e como ativista de direitos humanos, eu apoio a campanha Jovem Negro Vivo da Anistia Internacional, que, além organizar oficinas de educação em direitos humanos e atividades culturais sobre esse tema, vem há quase três anos recolhendo assinaturas que pedem a criação de um PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DE HOMICÍDIOS. Vamos cobrar para que nossos problemas sejam resolvidos, de verdade? Sem mimimi, sem enrolação, sem paliativos? Vamos mostrar que a sociedade civil tá viva e atenta? VAMAS!! Assine e crie sua própria campanha! Bora!

Assinaturas:
Meta: 100
Período:
19/07/2017 01/10/2017

O Brasil é o país onde mais se mata no mundo, superando muitos países em situação de guerra.

Em 2012, 56.000 pessoas foram assassinadas no Brasil. Destas, 30.000 são jovens entre 15 a 29 anos e, desse total, 77% são negros. A maioria dos homicídios é praticado por armas de fogo, e menos de 8% dos casos chegam a ser julgados.

A morte não pode ser o destino de tantos jovens, especialmente quando falamos de jovens negros. As consequências do preconceito e dos estereótipos negativos associados a estes jovens e aos territórios das favelas e das periferias devem ser amplamente debatidas e repudiadas.

O destino de todos os jovens é viver.

Você se importa?

Eu me importo!

Quero que as autoridades brasileiras assegurem aos jovens negros seu direito a uma vida livre de preconceito e de violência. E priorizem políticas públicas integradas de segurança pública, educação, cultura, trabalho, mobilidade urbana, entre outras.

Atividade


Últimas assinaturas

{{don.Name}}
{{don.Message}}
Eu quero o Jovem Negro Vivo! Chega de violência!
{{don.MessageAnswer}}
Nenhuma atividade nesta página.
Your browser is out-of-date!

Update your browser to view this website correctly. Update my browser now

Close